Seja bem-vindo!

Caro Visitante,

Erotexto é um blogue dedicado ao erotismo que tem por característica uma rica diversidade de estruturas narrativas. Seu objetivo é triplo: entreter, desenvolver o interesse pela escritura e - o principal - motivar a reflexão sobre a libido e a busca do prazer, cujo fundamento biológico acredito ser de caráter essencial e universalmente bissexual.

Erotexto tem formato fixo. A primeira página comporta a última narrativa proposta (não necessariamente a última criação). O material arquivado consiste de contos e relatos classificados por categoria sob a rubrica "EroStock" (coluna à direita), bem como séries, novelas e folhetins. Para conhecer a acepção em que cada estrutura narrativa foi tomada, convido o leitor a clicar em "Pequena Teoria da Narrativa", aqui acima.

Uma comunicação contínua com o leitor faz-se através da rubrica "EroNovas", a primeira da coluna à direita. Meu e-mail está à sua disposição. Para reagir a uma publicação, clique na palavra "comentário", abaixo de cada texto.

Os botões "Índice" e "Resumos" propiciam acesso fácil aos textos e uma visão global do conteúdo do blogue.

Que Erotexto possa excitar de modo agradável, são e prazeroso, inspirar o leitor a escrever suas próprias histórias e principalmente, motivar a reflexão.

Marc Fauwel

O Penetra

Certa vez, já em fins de adolescência, vendo que ia acabar passando as férias de verão interinhas sem sair do Rio, consegui a duras penas "descolar" um convite para passar alguns dias na casa de praia de uns amigos de um amigo meu, o Serginho. Assim que chegamos, fiquei sabendo que a casa estava cheia e que se eu quisesse dormir numa cama teria que dividir a cama de casal de uma suíte com um sobrinho do dono da casa. Aceitei, mais satisfeito por escapar de passar quinze dias dormindo no chão do que por não ficar sozinho.

Ricardo era um pouco mais alto que eu, magro mas fortinho, usava uns "oclinhos" que o deixavam com cara inteligente e levou numa boa quando o tio ofereceu a um desconhecido a metade da cama que era só dele desde o início das férias. Assim que ficamos sozinhos, ele me ofereceu uma parte do armário para colocar a mochila, me deu roupa de cama e foi logo perguntando se eu queria ir direto para a praia, explicando que a galera dele já estava toda lá. Aceitei e, quando olhei para o lado, ele já estava tirando a roupa. Eu costumo demorar um pouco a me sentir à vontade, mas ele se despiu com tanta naturalidade que não me chocou. Pregiçosamente ele empurrou bermuda e cueca até abaixo dos joelhos, deixou-os cair até os calcanhares, ergueu um dos pés para tirá-lo delas e, com o outro, chutou-as certeiramente no armário. Em seguida, dirigiu-se peladão para o banheiro. Não pude evitar a visão da a bundinha curta e carnuda moldada por cada passo displicente e as coxas grossas (talvez ele jogasse vôlei ou futebol, pensei) bem mais peludas que as minhas. Quando ele saiu do banheiro, já pronto, eu estava ajustando o meu short de banho. Lembro-me de ter notado que aquela Speedo vermelha ficava bem justa nele e lamentado um pouco a minha falta de coragem para usar roupas de banho curtas. Embora tivesse um corpo bem proporcional e, pelos meus critérios, atraente, eu não era nada exibicionista. Ricardo enfiou os pés nas havaianas e foi saindo do quarto sem esperar que eu terminasse de enfiar as minhas. O primeiro de quinze dias de férias na praia estava começando.

Chegando à areia, Ricardo se aproximou de um grupo - umas 12 pessoas - e só disse: "Aí, galera, esse é o Fernando." Cada um respondeu como quis e eu, ainda meio inibido, retribuí sorrindo e fui para a água. De longe, observando as brincadeiras do grupo, pude ver que eles tinham intimidade e que Ricardo era querido e mulherengo. Não era exatamente a minha tribo, mas não dei maior importância e tratei de me divertir como, no fundo, eu mais gostava: sozinho. Nadei debaixo d'água, olhei para o mar aberto, provei água salgada, dei umas braçadas além da rebentação, corri na areia e catei conchas para a minha amiga Cris que as coleciona. Acabei me sentindo tão bem assim, livre e independente, que resolvi não me integrar ao grupo do Ricardo. A propriedade on de estávamos hospedados ficava a 100m da praia e se compunha basicamente de quatro casas num enorme gramado com árvores esparsas, quadra de esporte, churrasqueira, piscina e uma sauna com um anexo em construção. Por educação, eu dedicava alguns momentos à família dos anfitriões, ajudando em tarefas domésticas como varrer, lavar a louça do café ou jogar o lixo fora, mas de modo geral, só aparecia para as refeições e para dormir. Quanto ao Serginho, nos esbarrávamos aqui e ali, mas sempre muito rápido. Como a maioria dos hóspedes, ele passava o dia por ali mesmo e só saía à noite para ir encontrar amigos e ver gente nova na cidade.

No meu primeiro dia, devo ter ido dormir por volta das 10h, exausto e, como sempre, queimado demais para um início dia de férias. Ricardo voltou muito mais tarde, acordou-me sem saber, mas não o deixei perceber. Notei que ele estava todo vestido, sinal de que estivera na cidade. Ele sentou-se na beira da cama, tirou os sapatos e a camiseta, depois levantou-se, tirou a calça, e foi de cueca para o banheiro. Curioso, fiquei esperando acordado. Ele tomou banho e saiu do banheiro completamente nu e segurando o pinto, que me pareceu estar entre o mole e o duro. Ele caminhou até o armário, abriu com todo cuidado uma das portas, pegou alguma coisa na mochila e deitou-se ao meu lado, nu e por cima dos lençóis. Eu estava desperto e ansioso. Assim que o silêncio voltou ao quarto, ouvi um ruído muito leve de papel celofane ou algo assim. Ricardo estava abrindo alguma coisa, muito lentamente para não fazer barulho. Achei que fosse um chiclete ou bala, mas assim que me acostumei ao pouco de luz que entrava pela janela, distingui o que me pareceu ser uma forma circular, amarelada e translúcida. Antes que eu me desse conta do que era, vi Ricardo erguer seu membro que repousava duro sobre a barriga e pô-lo na vertical. Exaltado, sentindo o coração aos pulos, preparei-me para o showzinho privado.

Pressionando o biquinho de látex com dois dedos, Ricardo foi desenrolando a camisinha completamente, até a base, depois balançou o membro embrulhado, espichando o pescoço para contemplar a obra como se fosse um totem. Eu estava à direita dele, fingindo-me de morto e olhando através da menor fenda que eu era capaz de produzir com os olhos. Sua respiração era forte, ele foi ficando muito excitado e vi seu corpo ondular à medida que a manipulação ia tomando ares de masturbação. Ainda me lembro da vontade que tive de pedir para fazer aquilo por ele, mas desisti do projeto quando revi mentalmente as imagens dele com a galera na praia, tão... hétero. Era arriscado demais, o melhor era esperar. Resignado a não interferir, vi Ricardo masturbar-se enquanto, com a mão livre, acariciava o peito, a barriga, a virilha. Pude ouvir o roçar dos dos dedos nos pelos pubianos. Foi uma punheta tranquila e silenciosa que nem sequer fazia ranger a velha cama de casal. De vez em quando, Ricardo olhava para certificar-se de que eu estava dormindo, mas eu conseguia prever seu gesto a tempo de fechar os olhos e fingir sono profundo. Ele ficou bons dez minutos brincando assim, até começar a acelerar um pouco e massagear o saco com mais vigor. Depois, imobilizou a mão e foi com o corpo, arqueando-o repetidas vezes, que ele porovocou o orgasmo, como se sua mão fosse uma boca ou outro orifício que o incitasse a fantasiar. Quando veio o orgasmo, ele não pôde evitar um ruído gutural retido na garganta, que me fez imaginar a intensidade do seu prazer e desejar ser o receptáculo do que me pareceu estar fluindo aos borbotões daquele membro tão duro que se curvava para trás. Discretamente, acariciei meu próprio sexo e torci para que alguma coisa acontecesse entre nós. Ricardo saiu da cama para ir ao banheiro e, quando voltou, deitou-se de bruços e adormeceu instantaneamente. Adormeci olhando suas costas e a redondeza da bundinha branca que se elevava da concavidade delas, iluminada pela luz diáfana que entrava pelos vidrilhos da veneziana.

De manhã, fui o primeiro a acordar e, como Ricardo estava novamente de bruços, abraçado ao travesseiro e com as pernas negligentemente abertas, pude ver muito bem o sulco profundo e sombrio delimitado pelas duas elevações da bunda curta porém carnuda e, entre as coxas, o saco espalhado como um pequeno balão desinflado. Não consegui ver mais nada. Olhei o quanto pude, sentindo o desejo no meu corpo, mas tive medo de que ele acordasse e fui logo para o banheiro. No lixo, só havia a camisinha, mal embrulhada numa folha de papel higiênico. Sentei-me no vaso, peguei-a, olhei contra a luz e comprovei o quando ele devia estar excitado. Não resistindo, esvaziei o conteúdo nos dedos e, por entre as pernas, espalhei um pouco do esperma em eu orifício, introduzindo nele a ponta do dedo molhado. Meu membro reagiu na hora, erguendo-se e pondo-se a pulsar. Com alguma dificuldade, vesti nele a camisinha e entreguei-me a uma punheta delirante em que eu me via misturando o meu sêmen ao do Ricardo, como num ritual. Eu estava tão excitado que teria sido capaz de fazer uma loucura se não me houvesse aliviado ali mesmo, naquele momento! Reembrulhei a camisinha agora cheia do meu conteúdo e a repus no cesto de lixo. Em seguida, tomei banho e saí sem acordar o Ricardo. As sensações da véspera e da manhã estavam mais do que vívidas em minha cabeça e à flor da minha pele sensível.

A segunda noite Ricardo não dormiu em casa. Senti uma ponta de inveja por não ser sociável como ele, mas o vi durante o dia, num churrasco que os donos da casa ofereceram aos convidados e vizinhos. Ele estava com uma menina loura, muito bonita de rosto e de corpo, mas que me pareceu um pouco vulgar por causa da calcinha do biquini toda enfiada na bunda, que ela tornava mais provocante empinando-a artificialmente. Só um cego não veria que eles estavam excitados; a sunga do Ricardo não poderia estar mais cheia e o seu desconforto era flagrante. Os bicos dos peitos da menina quase furavam o sutiã do biquini. Logo notei que eles estavam procurando algum lugar para ir, e não deu outra: minutos depois, eles disfarçaram, deram a volta à churrasqueira e entraram furtivamente no anexo em obras da sauna. Com todo o cuidado para não ser notado, dei uma volta grande pelo jardim, procurando um ângulo que me permitisse ver entrada da obra, que ainda se resumia a um corredor sombrio e cheio de entulho. Assim que encontrei um lugar discreto, avistei o Ricardo encostado na parede de tijolos e a menina esfregando-se nele de costas enquanto ele a acariciava por dentro da calcinha e amassava-lhe os peitos. Ela parecia delirar de prazer, jogando a cabeça para trás para procurar sua boca. Eles passaram alguns minutos assim, até que ela virou-se de frente para ele e, lançando-lhe um olhar malicioso, deu-lhe um "estalinho" para, ato contínuo, ir agachando-se até ficar completamente de cócoras com as pernas escancaradas. Em seguida, apoiada com as mãos nas coxas dele, ela puxou o elástico da sunga dele com a boca e, assim que o membro saltou para fora, começou a persegui-lo sem tocá-lo com as mãos, para lambê-lo e chupá-lo lascivamente. Salivei de desejo, desolado por sabê-lo toda noite ao alcance da minha mão. Tive vontade de masturbar-me, mas eu não podia permanecer ali por muito tempo. Assim que me acalmei, voltei para onde estavam os outros e servi-me de churrasco e cerveja. Minutos depois, os dois estavam de volta, clmos, mas sérios em comparação ao que eu vira antes.

Permitam-me uma pequena digressão reflexiva. O que eu sentia naquela época e em ocasiões similares não era propriamente ciúme. Era algo mais sutil, sem essa componente tão sórdida contida no ciúme: o desejo que o outro fracasse. Eu descreveria meu sentimento como um desejo puro e simples de estar no lugar do outro em certas circunstâncias. Eles formavam um casal bonito, desejável e o que fizeram com tanta liberdade foi algo que me excitou muito e, de certa forma, ultrapassou-me pelo caráter ousado e aventureiro. Mas isso não me fez desejar que o Ricardo não fosse o que era ou não vivesse esse tipo de aventura. Eu queria apenas ser incluído nela, tornar-me um personagem dela e, de preferência, contracenar com o protagonista!

Para decepção minha, Ricardo ficou entretido com a amiguinha por vários dias, aparecendo para dormir às 4h da manhã e acordando à 1h da tarde. Eu tinha outro regime de sono e outro ritmo de vida; sempre tive hábitos diurnos. Excepcionalmente, na véspera da minha volta para o Rio, quando fui para o quarto dormir, o Ricardo estava lá. Ainda não eram 11h da noite. Ele estava deitado e olhando para o teto. Ainda me lembro de ter soltado uma piadinha, mas não me lembro se houve resposta. Ele estava sereno, gentil como sempre, mas sério e calado. Tomei banho, escovei os dentes e ele continuou lá, em silêncio. Quando voltei ao quarto, sentei-me na beira da cama e perguntei o se alguma coisa estava "pegando". Ele disse que sim e, pela entonação, entendi que tinha a ver com a menina do dia do churrasco. Ele contou-me tudo que eles estavam vivendo, disse que a atração entre os dois era tão forte que paravam a cada dez metros para ficar agarrando-se pelos cantos, atrás das árvores, dentro d'água, rolando na areia... Chegou até a mencionar a cena que eu vira parcialmente na obra da sauna. Mas havia um porém, e ele foi direto: ela não queria penetração. Ele não entendia por quê, mas ela limitava-se ao sexo oral e isso o estava deixando louco. Simplório, ele até mostrou-me o "estado" em que ficava só de tocar no assunto, apontando com o queixo para a própria sunga. Meio sem jeito, dei uma rápida olhada, mas logo forcei-me a olhá-lo diretamente nos olhos, perguntando se a menina tinha explicado por que não queria ir além do sexo oral. Ele me disse que ela dera uma desculpa esfarrapada, recorrendo ao receio de estar num período fértil. Por mais que ele insistisse, era inútil, o máximo que ela permitia era que eles se esfregassem um no outro seminus, mas nada de penetração. Ela quase brigou seriamente quando, num momento de descontrole, ele tentou forçar a entrada por trás. Enquanto Ricardo ia contando, eu o via passar a mão por fora da sunga e ajeitar o membro atravessado nela para evitar que escapasse pelo elástico. Aquela excitação tão persistente era a marca da desorientação em que ele estava mergulhado. E, como se não bastasse, a menina iria embora no dia seguinte, o mesmo dia que eu. Ainda conversamos um pouco, mas senti que meu esforço era inútil.

Foi então que resolvi tentar uma "estratégia", que eu ponho entre aspas porque não era um plano consciente mas apenas a busca semi-intuitiva de uma solução paliativa para a situação que o Ricardo estava vivendo. Apaguei a luz do teto, acendi o abajur da mesinha e anunciei que em vez de ir para a cama iria arrumar minhas coisas para ter menos trabalho no dia seguinte. Não me lembro ao certo quanto tempo, mas o Ricardo ficou lá, deitado, monologando em murmúrio, até que, a certa altura, talvez cansado de olhar para o teto, ele veio sentar-se na beira da cama, de frente para mim, que estava para lá e para cá pegando coisas e enchendo a mochila numa mesinha a meio caminho entre o armário e o banheiro. Essa proximidade começou a deixar-me ansioso, com a sensação de ser obrigado a dizer alguma coisa. Até então, Ricardo estivera falando para o teto, mas senti que ele agora estava procurando conversa. Minha estratégia parecia estar surtindo efeito, mas como era mal dominada, não me deixava seguro e abria espaço à intuição e ao improviso. A única coisa que me veio à cabeça foi a cena que eu vira no dia do churrasco. Uma necessidade imponderável de falar nisso assaltou-me e acabei dizendo, de chôfre, o que eu vira. Ricardo ficou surpreso, mas aproveitou para contar a cena toda e completar a descrição do que eu sabia incompletamente: eles abraçaram-se muito, beijaram-se muito, ela o chupara, depois baixara o biquini para deixá-lo esfregar-se nela por trás e masturbá-la. Foi naquele episódio e, depois de levá-la ao orgasmo, que o Ricardo tentara forçar uma penetração anal. Ele estava tão molhado do seu próprio líquido e da excitação dela que, na primeira oportunidade em que ele sentiu sua glande pronta para encaixar-se na entrada, puxou a menina pelas ancas e tentou transpô-la. Mas assim que ela sentiu o início da dilatação, deteve-o e afastou-se, furiosa. Tudo mudou depois daquele dia, e era isso que explicava as expressões de ambos ao saírem da construção, bem como o estado atual do Ricardo, que estava experimentando uma mistura de culpa e de extrema expectativa frustrada. Seu rosto bonito e fino inspirava carinho e intimidade. Acho que ainda me lembro exatamente de algumas coisas que dissemos.
"- É estranho ela não querer transar, mas foi vacilo teu tentar meter assim mesmo, meio que à força, comentei.
- Eu não aguentei, cara! Ela me deixou encaixar a cabeça, era só empurrar! Chegou a começar a entrar!
- Aposto que na frente teria entrado mole e ela só teria percebido quando estivesse lá dentro.
- Sei lá, mas na frente ela também não queria.
- Confessa que você quis meter atrás.
- Cara, não vou negar, mas..."

Nosso curto diálogo sobre sua ação temerária retirou Ricardo da meditação sombria e o trouxe de volta. Ele entrou em detalhes sobre seus corpos e sobre o grau de excitação de ambos naquele corredor em construção. Notei que de vez em quando ele ainda ajeitava o pau duro na sunga. Continuei sondando.
"- Você já fez anal alguma vez? perguntei, fingindo indiferença, de costas para ele, colocando as últimas coisas na mochila.
- Só com uma menina, que pedia para eu meter atrás, no banho, até depois de transar muito. A gente chegou a gravar um clipe só de anal para botar na Internet.
- Me dá o link depois? Adoro anal! declarei, sabendo que ele não perceberia de que ponto de vista eu estava falando.
- É bom demais, cara! Terminar uma transa com aquela pressão no pau é a melhor coisa do mundo.
- E na hora de gozar, então!
- Nem fala!"

De costas, olhei para ele por cima do ombro, sorrindo, e o surpreendi com o elástico da sunga baixado, olhando melancolicamente para aquela ereção sem fim. Ele parecia querer convencer-me da gravidade do seu estado e, sem mover a cabeça, olhava alternadamente para mim e para o membro armado e grosso que eu via repousando obliquamente em sua barriga, molhando-a. Intimamente, eu estava pronto a cair de joelhos entre as coxas dele e fazê-lo gozar todo o gozo que ele não havia podido liberar com a menina do churrasco, mas nada me parecia menos realístico. O que fiz foi virar-me com a maior tranqüilidade possível e olhar com a naturalidade dos cúmplices para o que ele estava me mostrando.
"- Estou assim direto, só de pensar nela! Isso nunca aconteceu.
- Anda até tocando punheta na cama, não é? lancei, para ver no que dava.
- Hã? Você viu?
- Hum-hum.
- Ficou puto?
- Não! Por que é que eu iria ficar puto?
- Sei lá... Um cara tocando punheta do teu lado..."

Nunca vou esquecer que foi essa resposta que levou-me a decidir encarar o risco. Estávamos conversando numa atmosfera de perfeita intimidade e entendimento. Ricardo estava precisando de alívio. Eu estava ávido dele e podia aliviá-lo, ao menos em parte. Hoje em dia, em termos analíticos que eu não dominava na época, vejo como tudo parecia propício e como tive a consciência disso da maneira puramente intuitiva que é própria do adolescente. Saí do meu lugar, sentei-me na beira da cama, ao lado do Ricardo, que continuava sentado com os braços para trás, exibindo uma ereção que teimava em não desmontar. Sério, mas com toda a amabilidade do mundo, olhei para ele nos olhos, depois para baixo e, sentindo certeza de que o contexto era propício, pus a mão.
"- Cara, o que é que vo...? ele ia começando.
- Não diz nada, interrompi, olhando-o de relance e voltando ao que estava fazendo."

Foi no momento certo. Ricardo não ofereceu resistência e abandonou-se. Assim que fechei a mão em torno do seu membro, notei que ele acalmou-se e senti o mais profundo alívio. Ele deitou-se um pouco mais, repousando sobre os cotovelos, depois completamente, deixando só as pernas para fora da cama. Debrucei-me um pouco e massageei seu saco, o interior das coxas, voltei ao pau e comecei uma lenta masturbação enquanto via a glande inchar e sentia o tronco cada vez mais duro e pulsante. Ricardo começou a respirar mais forte, depois olhou para mim, intrigado, mas cheio de consentimento. Imaginei uma possível pergunta íntima dele: "O que é você, cara?", mas procurei não pensar no assunto. A realidade é que eu estava dando a ele exatamente o que ele precisava naquele momento.

O pau do Ricardo devia ter pouco menos de dezessete centímetros e uns três dedos meus de diâmetro. A cabeça era de um rosado uniforme, bem desenvolvida, longa e de contorno definido. O tronco do pau era liso e a rigidez o repuxava para trás, formando um arco. O saco completamente depilado me pareceu volumoso, redondo, inflado. Os únicos pelinhos, castanhos e bem aparados, se concentravam acima da base do pau e um fio deles, pouco mais claros, subia do baixo-ventre muito plano até o umbigo. Ricardo era desses que deviam ter sido crianças muito magras e ganharam alguma massa muscular à custa de esporte e malhação. Deitado assim, suas coxas ficavam mais grossas, recobertas de pelos castanhos lisos e sedosos. Nesse primeiro momento de avaliação, eu estava encantado com o seu corpo e minha excitação era grande.

Quando se escreve, tem-se a impressão de ampliar a duração dos eventos. A fase de descoberta não durou mais que alguns minutos, entre cinco e sete. Assim que senti Ricardo relaxado, cheguei mais perto e abocanhei seu pau. Senti uma primeira pulsação vigorosa seguida do sabor suave do fluido lubrificante espalhar-se em minha língua. Embora ele não me passasse insegurança quanto a isso, olhei para o Ricardo com ar interrogativo e recebi resposta afirmativa. Engoli confiante. Ele sorriu, senti as pulsações na mão e voltei a chupar. Lembro-me de ter acariciado livremente as coxas dele, embora ele não retribuísse minhas carícias com carícias. Em dado momento, ele saiu da cama e disse que queria ver-me de quatro nela, mas eu ainda não estava pronto nem satisfeito; preferi sentar-me na beira da cama, puxá-lo pela cintura, procurar seu pau e deixá-lo deslizar entre os lábios. Ricardo quase desequilibrou de prazer enquanto assistia o pau desaparer entre eles. Sem pedir licença, levei as mãos à bundinha redonda e curta para controlar seus movimentos por ela. Ficamos assim por alguns instantes e quando senti que isso poderia levá-lo ao gozo deixei-o entrar e sair livremente apenas deslizando em minha língua. Ele ia tão fundo que eu podia tocar o saco com a pontinha dela. Eu não só acariciava o saco com a mão em concha, como o lambia todo, sugava e mordiscava, levando Ricardo a apoiar-se em meus ombros para não desabar de prazer. Em retribuição, ele me dava tapinhas com o pau no rosto, mas logo voltava a invadir minha boca com ele, inundando minha língua de sumo cristalino e forçando-a para baixo até chegar ao palato, onde a cabeça se encaixava tão perfeitamente que parecia ter sido moldada ali. Contorcendo-se, Ricardo implorava-me que parasse, alegando não querer gozar logo. Nesses momentos, ele "descuidava-se" levando a mão à minha cabeça e afagando-me sem querer o cabelo.

Cerca de uns dez minutos depois dessa felação na vertical, Ricardo teve vontade de ir ao banheiro e eu fiquei deitado na cama, muito excitado, tocando-me com a ponta do dedo, sentindo-me úmido e pronto para recebê-lo. Quando voltou, ele mandou-me novamente ficar de quatro na cama, afirmando não estar aguentando mais ficar nas preliminares. Dessa vez, obedeci. Posicionei-me de joelhos na beira da cama, com as pernas bem afastadas e deixei-o contemplar. Lembro-me de ter ficado espantado ao ouvi-lo elogiar minha bunda, que ele achou não só "tesuda", mas bonita. De fato, eu tinha cabelo farto, mas nenhum pelo no corpo, exceto um pouco nas pernas e uns fios nas axilas que eu raspava criteriosamente. Minha bunda despontava logo depois de duas covinhas no fim das costas, em dois gomos carnudos e salientes, cujo peso formava dobras pronunciadas com as coxas. Desde a infância eu escutara comentários sobre o meu traseiro, que era considerado empinado demais, o que o tornava impróprio a um varão. No início, era considerado "bonitinho", minha mãe, tias e primas beliscavam-me com carinho o bumbum assim como faziam com as bochechas, mas depois que ficou claro que eu era inimigo dos pelos no corpo, esse aspecto meu tornou-se um tormento e eu fugia dos vestiários para não virar alvo de zombaria de mau gosto ou, ao contrário, de assédio quando eu estava sozinho. Na época do encontro com o Ricardo, eu estava aprendendo a conviver com a idéia de que o meu corpo excitava certos tipos de homens e eu já vivera situações embaraçosas até com homens mais velhos, alguns dos quais já me haviam feito propostas abertamente, propostas que eu rejeitara indignado pelo fato, tão simples e facilmente compreensível, de que o jovem não tem uma atração natural pelo adulto muito mais velho que ele.

Ricardo pôs as mãos na minhas nádegas, acariciou, apertou, separou, agarrou-me pela cintura e esfregou-se sofregamente em mim, murmurando o quanto isso o estava excitando. Eu estava à sua disposição e tão excitado que ele podia fazer o que quisesse comigo. De repente, ele separou-se de mim e foi até o armário, remexeu na mochila e voltou com uma camisinha. Colocou-a e recomeçou a esfregar-se em mim. Senti que ele estava excitado demais e que tudo poderia acontecer rápido demais. Ele pediu-me que eu mesmo posicionasse seu pau e, puxando-me pela cintura com as duas mãos, começou a empurrar muito lentamente. Naquele momento, percebi que ele tinha alguma experiência. Senti várias vezes a glande avançando e ampliando a entrada, até poder passar completamente. Levei a mão à barriga dele quando seu pau começou a deslizar para dentro, mas a preparação fora tão perfeita, que não senti dor. Logo a cócega agradável dos pentelhinhos em contato com a bunda se fazia sentir, e as coxas do Ricardo se chocaram contras as minhas. Cada vez que ele entrava e saía, ambos engolíamos gemidos e isso foi-nos levando ao delírio, mas a casa estava cheia, portanto tínhamos que nos controlar e sobretudo não fazer barulho com a cama.
"- Está gostando? perguntou ele, gentil, num vaivém ritmado.
- Se eu soubesse que você era assim desde o início, teria provocado você no primeiro dia! respondi com a fala entrecortada.
- Estou conseguindo meter até final. Ah, se eu pudesse gozar dentro!
- Você é que sabe se pode ou não, respondi.
- Bom, só transei com menina de família.
- Ah é? E a menina da sauna?
- Ela não deixa meter, esqueceu?
- Haha! Tá legal, então pode tirar a capa."

Ricardo saiu de mim já expulsando a camisinha e, cuidadoso, foi jogá-la no banheiro. Quando voltou, ficou surpreso vendo-me deitado de costas com as pernas para cima e olhando para ele por entre elas.
"- Já comeu franguinho? brinquei, segurando meu saco para melhor exibir o cu.
- Haha! Isso para mim é "papai e mamãe"!
- Não é não, mas já que você não quer..., respondi, já baixando as pernas.
- Não, não, eu não disse nada! Além disso, sou aberto a novas descobertas!"

Deitado de costas, abri bem as pernas, puxei-as quase até o peito com as mãos e deixei Ricardo adivinhar o resto. Habilidoso, ele se ajoelhou na cama comigo entre as coxas, espalhou saliva no pau, fez pressão algumas vezes e penetrou.
"- E ainda diz que nunca provou! lancei, gemendo.
- A minha namorada gostava dessa posição no anal."

Sem a camisinha, cada detalhe do relevo do seu pau, principalmente a borda da glande a cada passagem para dentro ou para fora me enlouquecia de tesão. Tive a impressão de ser capaz de ter um orgasmo anal, tamanho era o prazer causado pela fricção. Quase cara a cara, nós gemíamos de prazer. Eu sentia que Ricardo não queria trocar carícias, mas senti-lo comendo-me assim, de tão perto, foi inédito da parte de um hétero. Quando ele se sentiu mais acostumado, segurou-me pelos tornozelos e socou tão forte e tão bem que meu próprio pau liberou um espesso fio de esperma sem que eu o tocasse.
"- Ahn...!
- Que foi? perguntou ele, intrigado.
- Sei lá, parece gozo, mas não estou gozando. Continua, vai..."

Sem sair de mim, Ricardo olhou para a minha barriga e arregalou os olhos vendo a poça leitosa formando-se sob a minha glande. Meu pau estava mesmo liberando esperma. Ejaculei sem espasmos, num orgasmo sutilmente prazeroso. Hoje sei que isso acontece pelo estímulo direto da próstata e procuro frequentemente por esse tipo de sensação. O líquido encheu meu umbigo e ia descendo por um lado, mas Ricardo o impediu com a mão.
"- Ahá! Teve coragem de tocar! brinquei.
- Só pra não sujar a colcha, retrucou ele, sorrindo.
- Chegou pertinho "dele", continuei, provocativo.
- É, mas não toquei, defendeu-se ele.
- Não vejo nada de mais, falei, fazendo com cara de anjo."

Parando um pouco dentro de mim e ficando ajoelhado na cama, Ricardo olhou durante alguns segundos para a minha barriga e, tomando coragem, pegou meu membro e começou a masturbar-me. Descansei minhas coxas nas dele, pus os braços atrás da cabeça e fiquei assistindo, sentindo-o pulsar dentro de mim. O orgasmo "tradicional" veio em poucos minutos, intenso, disparando ainda três ou quatro jatos que Ricardo direcionou para o meu corpo, atingindo barriga, peito... e rosto!
"- Caraca! Você goza pra cacete!
- Não é porque dou a bunda que meu pau não funciona, respondi!"

Excitado pelo meus orgasmo, Ricardo virou-me de bruços, esfregou-se em mim, depois penetrou-me novamente e engrenou num vaivém que parecia não precisar ter fim. Eu estava achatado na cama, sentindo o seu peso e meu pau duro pulsar espremido entre o lençol e a barriga. Ricardo acelerou, seu pau atingiu as dimensões máximas e o orgasmo foi desencadeado. Senti os jatos quentes dispararem dentro de mim e enquanto ele me puxava para si com toda a força e empreendia curtos movimentos ao sabor dos espasmos.
"- Não pá-á-ra! Soca com força! eu implorava, baixinho.
- Se desse pra fazer filho, você já estaria grávido! brincou ele, socando o mais forte que lhe era possível num fim de orgasmo."

O que eu senti é indescritível, mas vou defini-lo como um tsunami de prazer que se expandiu até causar um tipo de arrepio dos pés à cabeça seguido de uma moleza que me impediu de sair da cama. Adormeci e a única coisa de que me lembro foi ter despertado brevemente no meio da noite para permitir que o Ricardo me puxasse para junto de si para penetrar-me de lado, muito suavemente. Devo ter tornado a pegar no sono com ele dentro de mim.

No dia seguinte, acordei com a voz do Serginho chamando-me de fora do quarto para irmos embora. Ricardo acordou e ficou sentado na cama.
"- E aí, vai ficar até o fim das férias? perguntei, do banheiro.
- De repente. Agora que estou sozinho de novo, vai dar pra fazer outras coisas, tipo pescar, mergulhar, surfar... Sei lá.
- Isso. Esquece essa menina. Ela devia ter motivos pra fazer o que fez. Nem sempre dá para entender tudo.
- Eu sei, mas é f... Vai levar um tempo até eu digerir isso tudo.
- Bom, vou nessa, mas queria te dizer que gostei de te conhecer e espero que você goste de se lembrar de mim. Tem hétero que prefere tirar essas coisas da cabeça, dizer que foi "acidente" de percurso.
- Claro que vou gostar, cara! E se você vier para cá de novo, pode vir direto para o meu quarto e não vai ser de penetra!
- Beleza! Não precisa convidar duas vezes! Agora vou nessa.
- Valeu, cara. Boa viagem!"

Nos despedimos com um abraço de amigos e, quando ia me virando, senti um tapa na bunda. Olhei e topei com o Ricardo olhando para baixo.
- "Tem "alguém" aqui que vai sentir muita saudade! soltou ele com olhar malicioso.
- Espero! respondi, piscando o olho e desaparecendo porta afora."

Nunca mais vi o Ricardo, mas por algum tempo ainda, quando eu transava com alguém muito simpático, lembrava-me dele e tinha certeza de que se algum dia nos encontrássemos, daríamos um jeito de relembrar aquela noite de férias em que fui "penetra penetrado" para levantar o moral dele.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eu gostaria de receber um parecer seu. Obrigado!