Seja bem-vindo!

Caro Visitante,

Erotexto é um blogue dedicado ao erotismo que tem por característica uma rica diversidade de estruturas narrativas. Seu objetivo é triplo: entreter, desenvolver o interesse pela escritura e - o principal - motivar a reflexão sobre a libido e a busca do prazer, cujo fundamento biológico acredito ser de caráter essencial e universalmente bissexual.

Erotexto tem formato fixo. A primeira página comporta a última narrativa proposta (não necessariamente a última criação). O material arquivado consiste de contos e relatos classificados por categoria sob a rubrica "EroStock" (coluna à direita), bem como séries, novelas e folhetins. Para conhecer a acepção em que cada estrutura narrativa foi tomada, convido o leitor a clicar em "Pequena Teoria da Narrativa", aqui acima.

Uma comunicação contínua com o leitor faz-se através da rubrica "EroNovas", a primeira da coluna à direita. Meu e-mail está à sua disposição. Para reagir a uma publicação, clique na palavra "comentário", abaixo de cada texto.

Os botões "Índice" e "Resumos" propiciam acesso fácil aos textos e uma visão global do conteúdo do blogue.

Que Erotexto possa excitar de modo agradável, são e prazeroso, inspirar o leitor a escrever suas próprias histórias e principalmente, motivar a reflexão.

Marc Fauwel

Um Delicioso Presente do Acaso

É dia de lavar roupa. Acabei de voltar da lavanderia do prédio, ainda abobalhado após ter vivido os momentos mais insólitos de toda a minha vida e incapaz de fazer outra coisa a não ser transcrever a experiência da melhor maneira possível para ler e relembrar com calma quando o pasmo tiver passado.

Fui muito cedo à lavanderia; é a melhor maneira de evitar os chatos. Com muita roupa acumulada, eu estava enchendo a segunda máquina quando uma mulher de cerca de trinta anos, feições comuns, alta, loura, o cabelo em rabo de cavalo, de corpo generoso porém de modo algum gorda, entrou já dirigindo-se às máquinas para passar a roupa da lavadora para a secadora. Notei que ela estava usando uma calça vermelha estampada de motivos amarelos, e que era uma calça de flanela, de pijama.

Cumprimentei respeitosamente, como sempre faço, ao que ela respondeu séria, mas vagamente, dirigindo o olhar para fora através dos janelões desguarnecidos do cômodo de último andar, sem nada focalizar da ampla vista da cidade. A atitude sutilmente inhabitual de não prestar atenção enquanto o olhar revela um fundo de desejo ou, antes, de necessidade, me pareceu tão eloquente e clara que minha reação foi imediata e absolutamente instintiva: agarrei-a por trás contra a máquina de lavar, já levando as mãos aos seus seios e esfregando-me explicitamente nela, que imediatamente começou a ofegar sem oferecer qualquer oposição. Muda, ela se libertou de mim e foi até a mesa branca no centro do cômodo, tirou agilmente a calça do pijama junto com a calcinha e sentou-se, elevando as pernas e apoiando-se nos cotovelos, exibindo a área rubra da longa fenda entreaberta definida por um par de lábios espessos e depilados. Bastou-me baixar a calça de ginástica com a cueca para liberar meu membro, que saltou pronto, em plena ereção. Em segundos eu estava afundando a minha glande entre seus pequenos lábios e começando a mover-me dentro dela, determinado a aguentar o suficiente para levá-la ao orgasmo, sem medo de despejar em seu ventre todo o conteúdo que o meu corpo produzira desde a última ejaculação.

Muito excitada e receptiva, ela pôs-se imediatamente a gemer com sofreguidão. Pude entrever a aliança de ouro na mão esquerda. Seu timbre de voz, sua higiene e o odor de corpo habituado ao bom perfume revelaram-me um pouco mais sobre ela. Superlubrificado, eu entrava e saía sem sentir o menor atrito, contando apenas com a circunferência do meu membro para proporcionar prazer a essa mulher ávida de prazer, que eu só vira esporadicamente ali mesmo, na lavanderia do prédio. A cada golpe meu ela respondia com um gemido, jogando a cabeça para trás, premendo os lábios com os dentes e cerrando os punhos, deixando-se lentamente invadir pela excitação crescente. Concentrei-me em meu vaivém, tornando-o intenso e regular, ouvindo o ruído molhado do sexo misturado ao rumor das máquinas.

A certa altura, afastei-me e a visão do meu sexo pulsando diante do seu, aberto em flor e do qual fluía um copioso néctar transparente, encheu-me de água na boca, mas logo dois calcanhares esporearam-me para fazer-me voltar a mergulhar. Foi só num segundo momento, quando tomei coragem para olhá-la significativamente nos olhos, que ela abriu mais as pernas permitindo-me contemplar seu sexo generoso de mulher grande e enfim curvar-me para passar-lhe a língua entre os lábios, colhendo o seu fluido misturado ao meu. Isso a levou aos píncaros da excitação. Percebi-a movendo a cabeça de um lado para o outro, premendo os seios e pude ouvi-la sussurrar "Assim... fode... fode... fode...", como se minha língua fosse o instrumento legítimo que a levaria ao orgasmo.

Com as coxas escancaradas e as plantas dos pés voltadas para o teto, ela me franqueou integralmente o caminho, permitindo-me percorrê-lo com a língua em toda a sua extensão, a partir do pequeno orifício raiado e bojudo, agora exposto e pulsante de excitação, percorrendo o entrelábios até a fina camada de pelinhos louros e cuidados que orna a pélvis, e ocasionalmente ultrapassando-os para ir até o umbigo. Fustiguei o clitóris já entumescido e invadi com dois dedos, depois três, a deliciosa passagem antes preenchida pelo meu membro. Foi assim que o orgasmo desencadeou-se, tomando a mulher bruscamente de assalto, sob forma de espasmos fortíssimos que a fizeram puxar meu cabelo até quase arrancá-lo enquanto vertia o suco que pude beber na fonte.

A desconhecida grande e loura não tardou a sentar-se na mesa e sorrir ao ver-me nu da cintura para baixo, embaraçado com meu membro ainda em riste e olhar de menino que não sabe se vai ou não ganhar um doce.
- É sua vez de sentar, disse ela, já passando da mesa para o chão.

Eram as únicas palavras que sairíam de sua boca. Entendi a mensagem e acomodei-me na mesa enquanto ela tornava a vestir a calça de pijama de flanela vermelha, vindo em seguida empunhar-me o membro. Concentrada, ela o masturbou um pouco, depois acolheu-me o saco com a mão em concha enquanto seus lábios envolviam a glande e sua língua a encaixava no céu da boca para iniciar uma fricção vigorosa na região do freio.

Voltado para a porta e estimando que mais de dez minutos já se haviam passado, comecei a temer que alguém entrasse, mas a boca da misteriosa mulher excitou-me de tal modo, percorrendo-me o sexo inteiro, premendo-o ora com força ora de leve, movendo-se ora rápido ora devagar, encharcando-o de saliva, lambendo-o e sugando-o, que não tardei por minha vez a gozar intensamente, inundando a sua boca, pasmo e extasiado ao constatar que nenhuma gota se perdia e que ela engolia o que eu lhe dava com o mesmo prazer que se toma um licor.



Estava terminado. Nosso encontro não chegou a durar quinze minutos, mas o prazer que ambos auferimos dele foi raro e carregado de emoção contida. Depois de um brevíssimo olhar terno, a mulher grande e loura deu-me as costas e saiu pela porta que me preocupara momentos antes e pela qual ela entrara com ar vago mas carregado de um desejo que eu soube decifrar. A única coisa que me prova que não estive delirando durante esses poucos minutos é o meu membro ainda pulsante, quente e inchado em minha roupa, e a sensação tão familiar do orgasmo recente. Voltei para casa descendo lentamente pela escada de serviço, dizendo aos meus botões que a realização das fantasias sexuais, longe de ser um privilégio dos mais competentes ou mais dotados, bem pode ser uma mera questão de acaso.

2 comentários:

  1. maravilha tudo isso...rápido e certeiro...e as escadas que levam a lavanderia acabam ficando mais interessantes agora...parabéns, e uma grande abraço...

    ResponderExcluir
  2. Salve, meu caro! Pois é, uma saidinha do habitual para dar lugar a essa explosão de erotismo maduro! Obrigado pela sua presença constante, inteligente e simpática!
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir

Eu gostaria de receber um parecer seu. Obrigado!