Seja bem-vindo!

Caro Visitante,

Erotexto é um blogue dedicado ao erotismo que tem por característica uma rica diversidade de estruturas narrativas. Seu objetivo é triplo: entreter, desenvolver o interesse pela escritura e - o principal - motivar a reflexão sobre a libido e a busca do prazer, cujo fundamento biológico acredito ser de caráter essencial e universalmente bissexual.

Erotexto tem formato fixo. A primeira página comporta a última narrativa proposta (não necessariamente a última criação). O material arquivado consiste de contos e relatos classificados por categoria sob a rubrica "EroStock" (coluna à direita), bem como séries, novelas e folhetins. Para conhecer a acepção em que cada estrutura narrativa foi tomada, convido o leitor a clicar em "Pequena Teoria da Narrativa", aqui acima.

Uma comunicação contínua com o leitor faz-se através da rubrica "EroNovas", a primeira da coluna à direita. Meu e-mail está à sua disposição. Para reagir a uma publicação, clique na palavra "comentário", abaixo de cada texto.

Os botões "Índice" e "Resumos" propiciam acesso fácil aos textos e uma visão global do conteúdo do blogue.

Que Erotexto possa excitar de modo agradável, são e prazeroso, inspirar o leitor a escrever suas próprias histórias e principalmente, motivar a reflexão.

Marc Fauwel

A Odisséia de Aninha (folhetim, episódio XIX)

19. Dia de inauguração

"Até que enfim!" exclama Aninha, vendo o nome de sua nova patroa no celular.
- Alô!
- Aninha? É Stéphanie. Tudo bem? Você está pronta para começar? pergunta a francesa, carregando nos erres.
- Ai, você não sabe como eu esperei por esse telefonema! Estou pronta, sim, mais do que pronta!
- Que bom, que bom. Vamos inaugurar no sábado. Você pode chegar às 8h? Já falei com o Rômulo e ele também vai chegar mais cedo. Quero tudo perfeito para abrir as portas às 10.
- Por mim, chego até às 5h da manhã se você quiser!
- Haha! Não vamos exagerar! Até sábado às 8h.
- Até sábado. Tchau.

Aninha mal cabe em si de felicidade. A demissão da loja de materiais de construção teve seu preço, mas a folga de uma semana está sendo repousante e a certeza do novo emprego a deixam quase eufórica. É uma quinta-feira ensolarada e ela resolve dar uma trégua a Gabriel, tratando-o bem e até estendendo seu prazo para sair do apartamento que ela divide com Soraya. Os três passam os dias restantes juntos como velhos amigos e ela gasta com eles o dinheiro que lhe sobra, em restaurantes, lanchonetes e boates. O ambiente em casa fica tão relaxado que ela chega a pensar que Gabriel deveria ficar com elas, mas a idéia logo lhe parece exagerada e ela resolve bani-la. Os dois últimos dias da semana voam e a noite de sexta para sábado só é interrompida pela ansiedade; sua patroa francesa, a inauguração e o fato de ter que trabalhar de maiô ou biquíni, tudo é novidade para ela. Em seu sono agitado, o rosto de Gabriel aparece associado ao de Stéphanie e ela percorre o apartamento do Peró, sob o olhar indecifrável de Kleber.

Às 6h da manhã de sábado, Aninha se levanta em silêncio, toma café sozinha e passa longos minutos no banheiro, verificando minuciosamente cada parte do seu corpo, que ficará exposto aos clientes. Ela renova a depilação das axilas e decide, para evitar o risco, depilar completamente a região pubiana. Ela elimina também todo vestígio piloso da linha que vem do umbigo à virilha, das pernas e coxas. As unhas estão feitas, o cabelo está bem cortado e bem penteado, reto na extremidade que toca o fim das coastas, o rosto também, sem sinal de olheiras; um mínimo de maquilagem dará conta do resto, na verdade praticamente apenas o batom, indispensável. O espelho a tranquiliza; seu rosto é bonito e ela sabe que seus seios ficam discretamente sensuais na roupa de banho. A roupa não a preocupa muito, já que vai tirá-la; assim mesmo, ela separou calcinha e sutiã novos, e uma jeans baixa, uma blusa e uma sandália em perfeito estado para o caso de Stéphanie estar por perto enquanto ela se despe. Só lhe falta a bolsa com o celular, alguns artigos indispensáveis além, é claro, do maiô amarelo que a francesa quer que ela use e, por via das dúvidas, de um dos biquínis. Depois de uma última olhada, ela deixa o apartamento sentindo-se bonita e atraente para o seu primeiro dia no novo trabalho.

Ela chega antes de Rômulo e Stéphanie a recebe sorrindo, com dois beijinhos. Aparentemente, não há muito a fazer; por volta das 9h, um serviço de traiteur vai chegar com tudo para um buffet leve e a butique está equipada e pronta para receber os convidados e enventuais clientes. A loja fica num local privilegiado, a uma quadra da praia, na esquina de um prédio comercial de boa arquitetura, é toda envidraçada e as cores vivas das roupas de banho e acessórios têm tudo para chamar a atenção dos jovens, mesmo que o período forte da estação já tenha passado. Não há o que temer e Aninha está confiante.

Quando Rômulo chega, cerca de quinze minutos depois, Aninha já está usando o vistoso maiô amarelo escolhido por Stéphanie. O contraste com a pele bronzeada e as incríveis formas da menina logo chamam a atenção do rapaz, que hesita entre qual das duas cumprimentar primeiro, ela ou sua nova patroa. Ele não consegue tirar os olhos das costas de Aninha, cuja curvatura fica tão pronunciada no maiô justo e fino como uma segunda pele que o bumbum se destaca sensualmente. Mas ele vai, é claro, apresentar-se à Stéphanie, que o recebe com a mesma simpatia que ela demonstrou a Aninha e o manda rápido ir trocar de roupa; o tempo voa e os últimos ajustes exigem a contribuição dos três.

Rômulo resurge do banheiro usando uma das sungas preferidas de Stéphanie, minúscula, em franco desafio à moda do "sungão", que ela quer tentar derrubar assim como a moda de usar as calças com o gancho à altura do joelho.
- Magnifique! exclama ela, olhando o rapaz de cima a baixo e detendo-se com toda naturalidade na pequena peça de roupa estampada em tons de azul-verde que lhe cobre o mínimo.
- Não estou acostumado a usar sunga tão curta, retruca ele sorrindo, olhando-se num espelho.
- Todo mundo vai adorar, Rômulo, interfere Aninha, olhando-o por trás, tentando imaginar sua bundinha a partir do "cofrinho" inevitavelmente exposto.
- Claro! E com essas cores lindas, num modelo tão bonito, vai vender mais do que pãozinho francês! acrescenta a proprietária, toda otimista.
- Bom, então posso ficar tranquilo?
- A mulherada não vai te deixar quieto, encoraja Aninha, olhando diretamente para a protuberância frontal característica do pequeno traje.

Preparada a recepção, a butique abre as portas a um grupo seleto de convidados vindos dos Estados do Rio, São Paulo e Minas Gerais, aqueles que mais enviam turistas à região dos Lagos. Menos acostumados à vida litorânea, os paulistas e mineiros não poupam elogios à idéia de Stéphanie de ter vendedores banhistas e solicitam incessantemente Aninha e Rômulo para fotografar com eles. Uma equipe de reportagem chega até mesmo a reuni-los para entrevistá-los juntos, interessados na opinião quanto a trabalhar de roupa de banho.
- Você acham que o fator "sexy" vai entrar em jogo quando estiverem vendendo? pergunta a jornalista.
- Esse não é meu objetivo, mas se eles temperarem as vendas com uma pitada de sensualidade jovem e tropical, não vou brigar! declara Stéphanie, olhando sorridente para os dois.
- Bom, se o cliente achar que a sunga ou o short que estou usando vai ficar bem nele, é vantagem, não é? acrescenta Rômulo.
- E você, Aninha, o lado "sexy" nas vendas conta muito,  na sua opinião?
- Ah, demais! Eu vou mostrar a cada cliente que ela pode ficar gostosa como eu usando a nossa linha, declara ela forçando o "ch" de carioca enquanto passa a mão pelo corpo, toda confiante, causando um certo desconforto em Stéphanie e Rômulo, que dão um sorrisinho sem graça à jornalista.

Mas a pequena gafe não prejudica a inauguração, que vai se desenrolando numa atmosfera de agradável descontração. Por volta das 14h, o buffet já foi retirado e a butique é aberta ao público, que se mistura aos convidados e começa a solicitar Aninha e Rômulo para experimentar roupas e acessórios. Inicialmente, as pessoas não sabem muito bem como se dirigir a dois "banhistas", mas o conceito é rapidamente aprendido e apreciado por todos, talvez até em demasia; Aninha e Rômulo mal têm tempo para respirar e é em breves encontros no caixa que eles trocam algumas palavras sobre as experiências com os primeiros clientes.
- Ufa! Escapei de boa, diz Aninha.
- O que aconteceu?
- Uma cliente me chamou e, quando abri a  cortina, estava nua na cabine. Eu não sabia para onde olhar. Só porque a gente tem o corpo parecido, ela queria experimentar este maiô que eu estou usando!
- Não! Sério? Haha!
- Foi um custo convencer a doida a experimentar um novo. Você ainda não pegou nenhum mala, não?
- Hã! Eu vendi umas três sungas para um cara e quando voltei para perguntar se estava tudo bem, ele estava na frente do espelho se ajeitando... de pau duro.
- Não brinca!
- Você pensa que ele se acanhou? Ele disse que tinha que saber como as sungas ficavam porque costuma ficar excitado na praia.
- Já vi que a gente vai ver de tudo, nessa loja. Mas por mim, desde que a comissão esteja entrando, tudo bem, nem ligo.
- Você está certa, eu acho, mas não estou acostumado com isso não, Aninha. A loja de equipamento de surf onde eu trabalhei em Ipanema era careta perto disso aqui! Acho que o pessoal se solta quando está em outra cidade.
- Um dia te conto as maluquices que eu já vi em loja de roupa de mulher, antes de vir para Cabo Frio.
- Pode até ser hoje, para comemorar o primeiro dia de trabalho, topa? propõe ele, todo aceso.
- Tudo bem, se agente ainda estiver aguentando em pé!

Das 14h às 20h, a butique parece atrair cada um que passa pela calçada. No interior, as pessoas se comprimem entre os mostruários e fazem fila no corredor das cabines. Stéphanie se parabeniza por ter optado pela fórmula "peça ao vendedor"; ela e sua pequena equipe jamais teriam dado conta de vender e vigiar a mercadoria. Eles concentram a vigilância em evitar que as pessoas saiam das cabines com menos mercadorias que tinham ao entrar.

A clientela jovem logo deixa de  se distribuir entre Aninha e Rômulo segundo o sexo para procurar o vendedor do sexo oposto, os homens para se exibir diante dela ou ao menos tê-la por perto em seu supersensual maiô amarelo, as mulheres para tentar atrair a atenção do "menino da sunguinh". E embora muito ocupados e concentrados no atendimento, os dois vendedores tentam com dificuldade ficar indiferentes diante da espontaneidade com que certos clientes pedem opiniões mostrando-lhes o corpo ou até mesmo trocando de roupa em sua frente. Em várias ocasiões, Rômulo é convidado a opinar sobre o cavado de um maiô ou biquíni vestido por mulheres cujas formas o excitam ao ponto de deixá-lo embaraçado, forçando-o a cobrir-se com o que tenha nas mãos. Com menor frequência Aninha depara com algum exibicionista; o homem brasileiro não costuma experimentar sungas. Por outro lado, dado que quase a totalidade dos casais entram juntos nas cabines, várias cenas picantes pontilham esse dia de inauguração e vão se tornando o tema dos encontros no caixa.
- Peguei dois quase no ato, conta Aninha, rindo enquanto tira o imã de uma peça.
- Que aconteceu?
- Eu me distraí e um casalzinho entrou na cabine do fundo. Peguei a menina encostada no espelho se arrebitando para ele, pelada, e ele já de bermuda aberta, se esfregando. Ficaram roxos quando abri a cortina.
- O pior é ter que explicar que se eles marcam uma mercadoria, pega mal. Se não fosse o adesivo, a gente ia ter que jogar muito biquini fora!
- Você viu como elas puxam as calcinhas de biquíni para cima? A gente até perde a vontade de experimentar depois de ver isso. Entra tudo na bunda, eca!
- Por falar nisso, eu não te contei a melhor do dia. Olha discretamente para aqueles dois de camiseta branca, juntos, vendo os óculos.
- O que tem eles?
- Eles são estrangeiros; suecos, eu acho, mas falam inglês. Compraram várias sungas. Me encheram o saco pedindo tudo de todas as cores e deixei os dois experimentando. Como eu sou alto, consigo ver por cima da cortina e quando voltei vi os dois no maior amasso, um com a mão dentro da suga do outro. Parecia vídeo pornô. Ainda bem que eles compraram!
- Só quero ver essas roupas, na hora de guardar tudo.

A natureza dos diálogos entre Aninha e Rômulo durante esses breves encontros não deixa dúvida: a atividade nas cabines será tema recorrente no dia-a-dia da loja porque, ao contrário da maioria das lojas de roupa, a loja de roupa de banho enfatiza a nudez. Em grande parte, as pessoas experimentam e compram sungas e biquínis para expor o seu corpo nu de um modo socialmente reconhecido. Ao contrário de ocultar as partes íntimas, a roupa de banho as realça, chama atenção para  elas, e o esforço de Stéphanie para recuperar o apelo sensual da roupa esporte – não só do maiô e do biquíni, mas das calças e bermudas masculinas da atualidade e das camisas largas demais –, sua defesa aberta do que ela chama de "a verdade da roupa esporte" reintroduz já no primeiro dia essa mentalidade no seio da comunidade que comporá sua clientela. O espaço delimitado pelas paredes transparentes da nova loja é imediatamente percebido por todos – de fora e de dentro – não só como local de compra, mas como ponto de encontro onde a nudez se despoja da sua total privacidade e se insinua na vida social assim como o comportamento alimentar  numa lanchonete ou restaurante.

Ao final deste primeiro dia, os dois vendedores fecham as portas excepcionalmente às 20h ouvindo os lamentos decepcionados dos clientes mais indecisos. A inauguração foi um sucesso, as vendas numerosas e um silencioso bem-estar ocupa toda a butique vazia. Stéphanie felicita seus dois vendedores e decide abrir às 10h, no dia seguinte, para que eles possam descansar. Uma vassourada será suficiente, apenas para evitar insetos. Eles podem chegar às 9h no domingo para arrumar tudo. Em seguida, ela vem sentar-se no sofá da ala dos vestiários e conversa rapidamente com seus dois vendedores, elogiando-os quanto aos pontos merecidos e fazendo certas observações naquilo que ela julga necessário mudar ou melhorar. Por fim, ela faz um grande elogio aos dois e volta-se para Aninha.
- Nem tive tempo de perguntar pelo Gabriel. Ele vai bem? Ainda está com vocês?
- Continua lá em casa até arrumar algum lugar para ir. Ele quer morar aqui.
- Você acha que ele faria um outro favor para mim? Mas dessa vez, quero pagar.

A mente de Aninha é imediatamente preenchida pela imagem do apartamento do Peró. Sua patroa ainda ignora que ela o conhece, mas até quando? Kleber não passa muito tempo sem convidá-la e mais dia, menos dia, a notícia virá à tona de uma maneira ou de outra, através dele ou dela, até mesmo por uma fotografia dela que ele decida mostrar a Stéphanie.
- Tem uma coisa que eu queria...

Toques de buzina interrompem Aninha. Stéphanie se levanta para ver.
- É o meu amigo vindo me buscar. Não vou convidá-lo a entrar, com essa bagunça toda; ele pode vir outro dia. Meninos, dêem um jeitinho rápido na loja, só uma disfarçada, e terminem amanhã. Parabéns, adorei o trabalho de vocês! Fechem bem a loja, hein! Beijo. Nos vemos amanhã às 10h. E Aninha, diga ao Gabriel para me ligar amanhã, está bem?

Aninha reconhece o carro que se afasta e a silhueta do motorista: é Kleber. Não há mais dúvida, o mundo é mesmo pequeno e ela não vai poder ocultar a verdade por muito tempo, até porque é uma verdade inofensiva. Afinal, não teria cabimento perder o emprego só porque a patroa está constrangida de saber que uma vendedora sabe do seu envolvimento com um amigo dela. Ou teria?

Aninha está entregue a essa elocubração quando Rômulo se aproxima. Epontaneamente, assim que ela ergue a cabeça e dá com os olhos na linda estampa da sunguinha azul-verde, sorri e estende a mão para tocá-la, como se fosse um objeto qualquer que desperta a curiosidade. Rômulo olha para baixo, espantado, ciente de que não se trata de uma mera provocação sexual; o gesto de Aninha parece o de quem toca num amigo como se tocasse num para-raio, para se descarregar de alguma energia negativa. Apesar do ar inquieto, ela está deliciosa em seu maiô amarelo que lhe destaca os seios e desaparece entre as coxas. Atraído, Rômulo avança mais, vendo a protuberância em sua sunga a poucos centímetros do rosto de Aninha. Para sua surpresa, ela o abraça carinhosamente pela cintura colando inocentemente o rosto à altura do seu sexo enquanto passa os olhos pelo caos em que as cabines foram transformadas.
- Como é que eles podem fazer tanta zona? Vai dar um trabalhão botar tudo no lugar.
- Está tudo bem, Aninha? pergunta ele, afagando carinhosamente o seu cabelo.
- Estou legal... Só um pouco cansada e querendo colo, responde ela, com voz vaga, mas meiga.
- Quer me contar alguma coisa? pergunta ele, sentindo a suave pressão do rosto contra o seu sexo, cujo despertar ele tenta com dificuldade evitar.
- É, acho que se eu contasse, tiraria um peso... admite ela, com a voz ainda mais vaga, agora brincando com os pêlos dourados da longa coxa do seu colega.

Sem saber o que fazer diante dessa situação singular, dividido entre a necessidade de dar apoio moral e a percepção viva de sua excitação crescente, Rômulo decide deixar qualquer eventual iniciativa nas mãos de Aninha e limita-se a afagar o longo cabelo negro que lhe faz pensar nas personagens indígenas do Romantismo brasileiro. Ela continua abraçada a ele, ninando-se distraidamente com o seu corpo e olhando a bagunça circundante para tentar rechaçar a idéia fixa de que Gabriel pode por tudo a perder revelando à sua patroa a ligação dela com Kleber. Stéphanie é amiga de Kleber e hóspede dele no apartamento do Peró. Por mais simpatia e simplicidade que a sua patro aparente, Aninha não concebe que uma francesa tolere empregar como vendedora a amiguinha do seu anfitrião, e isso a atormenta obsessivamente nesse momento. Ela se força a voltar à realidade com a intenção de deixar as quimeras trancafiadas na mente, mas é imediatamente assaltada pela imagem de Gabriel trepado na escada e exibindo-se nu para ela na casa do subúrbio, seu longo sexo cor de chocolate pendendo entre as coxas. Stéphanie o provou antes dela, e isso a centenas de quilômetros de distância de lá. Aninha imagina involuntariamente a cena dos dois no apartamento do Peró, tenta por força desvencilhar-se dela, mas é inútil. Em seguida, vem-lhe a lembrança do recado de Stéphanie para Gabriel. É ela que vai propiciar um novo encontro e provavelmente mais sexo entre o seu vizinho do subúrbio e a sua patroa francesa. Ao mesmo tempo que suas emoções se confundem, ela sente um frisson percorrer-lhe o corpo. Aninha está excitada.

A textura do tecido fino é transimitida à pele do rosto pelas leves pulsações do membro inquieto. Percorrendo a coxa que ela acariciava até aqui inocentemente, Aninha vai puxar o elástico da sunga e liberar o prisioneiro, que se retifica parcialmente, exibindo uma bela cabeça descoberta. Ela a envolve com os lábios, contorna com a língua, suga, aprofunda-se para conter o membro todo na boca, depois solta-o e acompanha a ereção enquanto termina de baixar a sunga até os pés do rapaz. Rômulo baixa-lhe as alças do maiô indicando que gostaria de ver seus seios. Aninha passa os braços por dentro delas, deixando meio corpo desnudo, que Rômulo contempla extasiado enquanto ela mordisca o tronco do seu pau agora completamente rígido. Seus movimentos são lentos, lânguidos, como se fizessem parte de um exercício de relaxamento a dois, uma novidade para o rapaz, que adere maravilhado ao jogo. Vendo seu membro desaparecer quase por completo na boca quente e suave, ele logo percebe o quanto Aninha é treinada. Ela não tem dificuldade vir colar os lábios em seu baixo-ventre enquanto a língua desliza deliciosamente por baixo do talo fazendo-lhe um suave carinho no saco. Ele jamais foi chupado dessa maneira e a sensação o excita tanto que ele a penetra repetidamente, observando seu sexo ir e vir envolto numa saliva cada vez mais espessa e abundante. Ainda que suas dimensões não sejam das menores – cerca de dezessete centímetros de comprimento por quatro de diâmetro – ele não distorce o rosto da menina, que continua bonito enquanto ela o engole sem dar qualquer sinal de desconforto.

De pé, Rômulo contempla as coxas de Aninha, que ela mantém bem abertas enquanto se dedica a chupá-lo. Curvando-se, ele baixa um pouco mais o maiô amarelo, olhando-a nos olhos e sorrindo. Ela termina de tirá-lo, sensualmente, com movimentos discretos, coloca-o cuidadosamente sobre o braço do sofá e, deitando-se quase, ergue as pernas abertas sobre o corpo, exibindo a fenda no centro do monte de Vênus perfeitamente depilado. Rômulo contempla a delicadeza das formas dos pequenos lábios e repara o quanto a entrada está encharcada. Aninha olha fixamente para o seu sexo, observando-o pulsar, aguardando com um sorrisinho de malícia nos lábios. Rômulo então se ajoelha na borda macia do sofá, direciona corretamente o seu sexo, encaixa a cabeça e, segurando o encosto do sofá com as duas mãos, mergulha o em Aninha, que joga a cabeça para trás emitindo um longo suspiro de êxtase.
- Que pau gostoso... Dá todinho para mim, dá...
- Está gostando mesmo, Aninha? pergunta o rapaz, enterrando-se até o fim e sinceramente desejoso de satisfazê-la.
- Ahhh! Demais... Ele é grande e grosso como eu gosto...
- No tamanho certo para a tua bucetinha?
- Todo certinho... Fode gostoso, fode... Come a minha bucetinha agora, vai...

Rômulo se sente confortável nessa posição em que a mulher se deixa encaixar de pernas tão abertas e rebatidas sobre o corpo. Ele entra e sai dela ritmadamente ouvindo-a gemer a cada penetração profunda. Com ambas as mãos em seu peito, Aninha se sente reconfortada sob esse menino grande e gentil que se mostra tão excitado por ela... e tão resistente. Sorrindo, ela acolhe um beijo que faz seu prazer redobrar. Quando a língua dele invade profundamente sua boca ao mesmo tempo que ele a penetra fundo, um espasmo seguido de uma fortíssima descarga a tomam de assalto deixando-a desnorteada. Espasmos menores se seguem, continuamente, exigindo dela um gemido também contínuo que a afasta da boca de Rômulo. Estimulado por esse orgasmo precoce numa mulher, ele consegue apenas mais uma pequena série de vaivéns antes que seu próprio orgasmo se desencadeie. Retirando-se, ele aponta para a barriga de Aninha e, passando a masturbar-se, dispara sucessivos jatos cujos primeiros, muito densos, chegam ao seu rosto, atenuando-se até não ultrapassar a vizinhança da fenda. Ele contempla o rosto da menina, que passa a língua pelos lábios atravessados pelo traço esbanquiçado do seu esperma.
- Pode ficar tranquila, ouviu? diz ele, aludindo à sua saúde sexual.
- Eu sei, responde ela, engolindo ostensivamente o que tem na língua e brincando de mostrar a boca vazia.
- Muito bem, engoliu tudinho! brinca ele, dando-lhe um estalinho e terminando carinhosamente.
- E agora, chega de brincadeira que a gente ainda tem que dar um jeito nessa zona, diz ela encaminhando-se para o banheiro, onde sabiamente Stéphanie providenciou um box com chuveiro.

No banho, Aninha sente-se mais relaxada e vislumbra a possibilidade de trocar a relação com Kleber por um namoro com Rômulo, esse menino tão gentil que acaba de lhe dar tanto prazer. Ela conjetura também que talvez valesse a pena tentar não transmitir a Gabriel o recado de Stéphanie. Mas Cabo Frio é pequena e eles logo viriam a se encontrar de uma maneira ou de outra. O impasse continua, mas esse inesperado encontro com Rômulo a faz ver as coisas de maneira mais dilatada, como se agora houvesse tempo para tomar decisões que poucos momentos antes pareciam prementes. A inauguração da butique foi um sucesso, ela está se sentindo feliz e segura de que fez a coisa certa, um namoro está talvez para acontecer... Não será sinal de que sua vida está se encaminhando para a grande mudança tão desejada?

Toda essa enxurrada de pensamentos não dura mais que alguns segundos. Rômulo entra no box e cola seu corpo ao de Aninha para dar-lhe um beijo. A arrumação da loja pode esperar mais alguns momentos.


Um comentário:

  1. Estou acompanhando o folhetim, mas se você me permite uma sugestão, você deveria reduzir os intervalos entre as publicações senão a gente perde o fio da meada.
    Oswaldo (leitor amigo)

    ResponderExcluir

Eu gostaria de receber um parecer seu. Obrigado!