Seja bem-vindo!

Caro Visitante,

Erotexto é um blogue dedicado ao erotismo que tem por característica uma rica diversidade de estruturas narrativas. Seu objetivo é triplo: entreter, desenvolver o interesse pela escritura e - o principal - motivar a reflexão sobre a libido e a busca do prazer, cujo fundamento biológico acredito ser de caráter essencial e universalmente bissexual.

Erotexto tem formato fixo. A primeira página comporta a última narrativa proposta (não necessariamente a última criação). O material arquivado consiste de contos e relatos classificados por categoria sob a rubrica "EroStock" (coluna à direita), bem como séries, novelas e folhetins. Para conhecer a acepção em que cada estrutura narrativa foi tomada, convido o leitor a clicar em "Pequena Teoria da Narrativa", aqui acima.

Uma comunicação contínua com o leitor faz-se através da rubrica "EroNovas", a primeira da coluna à direita. Meu e-mail está à sua disposição. Para reagir a uma publicação, clique na palavra "comentário", abaixo de cada texto.

Os botões "Índice" e "Resumos" propiciam acesso fácil aos textos e uma visão global do conteúdo do blogue.

Que Erotexto possa excitar de modo agradável, são e prazeroso, inspirar o leitor a escrever suas próprias histórias e principalmente, motivar a reflexão.

Marc Fauwel

A Odisséia de Aninha (folhetim, episódio VII)

7. Soraya

O pequeno apartamento não fica longe do centro, recebe muita luz, é todo de lajotas vermelhas e semeado de móveis velhos que se levam para as casas de praia. Soraya estava de olho nele há semanas, mas recém-chegada de Macaé, não conhecia ninguém com quem dividi-lo. Ela tem vinte e um anos, é quieta e trabalhadeira, principalmente nesse momento de melancolia pelo fim de uma longa relação de sete anos com o único namorado que ela teve, o que aliás motivou sua mudança de cidade. De pé na salinha de nove metros quadrados, ela se emociona diante de Aninha por ter enfim conseguido sair da casa do velho primo lascivo que a hospedava há mais de um mês e que visivelmente já não aguentava mais essa cohabitação não promíscua com a priminha pudica e tristonha. Ela trabalha numa grande loja de material de construção e promete a Aninha apresentá-la ao seu chefe. Ele a recebe, pede uma referência, telefona para o ex-patrão dela no Rio e na mesma tarde de segunda feira, Aninha está empregada como caixa de uma das lojas mais movimentadas da cidade, ganhando um pouco mais que o salário mínimo.

As novas colegas vão e voltam todo dia juntas do trabalho, almoçam juntas e tiram as pausas juntas. À noite, elas jantam e conversam longamente, mas Aninha é mais prudente em contar sua vida, com receio de assustar a comportada menina do interior. Ela se limita a falar do Gabriel, o vizinho que ela conhece desde a infância, que ela acha tímido e jovem demais, e que ela achava também sem graça até aquele dia em que o viu seminu bancando o eletricista no quarto. Soraya se diverte, curiosa com os detalhes, e tenta fazer uma imagem do dote do menino. Seu único namorado fazia amor com ela e às vezes era gostoso, mas ele estava longe de satisfazê-la e ela nem sequer sabe o que é ter um orgasmo. Como bom representante da raça masculina brasileira, ele passava dois ou três minutos alternando posições com o único objetivo de pô-la de quatro e ter seu próprio orgasmo sem camisinha diretamente em suas entranhas. O segundo orgasmo era invariavelmente na boca ou, "no mínimo", no rosto. Ela não gostava, mas o amor lhe ditava as regras e ela jamais disse não; só uma única vez, e foi o fim. Fazia dois meses que ela só pegava no sono quando estava exausta de tanto chorar. Só Aninha foi capaz de quebrar essa triste rotina e Soraya mal cabia em si de felicidade por voltar a ver o brilho do sol em sua vida.

Três semanas se passaram e, como sempre, não faltam solicitações de homens de todas as idades à Aninha em seu posto de caixa de loja de material de construção. Seu rosto lindo, o longo cabelo preto sempre muito brilhante e bem tratado e o corpo moreno nas roupas curtas agem como um imã sobre os machos locais e não locais. Soraya logo percebe isso e tem uma ponta de inveja; não dessa inveja má que corrói e gera destruição, mas dessa invejinha que é mais uma vontade de ter a mesma coisa que o outro sem prejudicá-lo. E no entanto, a única coisa que falta à Soraya é um "trato",  porque do ponto de vista anatômico, ela não perde em nada para as meninas gostosas que se exibem em pouca roupa na cidade praiana. Um belo dia, ela se arma de coragem e vai até Aninha que está na cozinha, lavando louça.
- O que é que está faltando em mim, Ana?

Quando ela se vira, topa com Soraya completamente nua à sua frente.
- Como assim, "faltando"? pergunta ela, intrigada.
- É! No meu corpo! O que está faltando no meu corpo para os caras olharem para mim?

A reação de Aninha é sincera, ela não entende a que a amiga está se referindo porque não falta nada em seu corpo, pelo contrário: além do rosto agradável de menina gentil enquadrado por um belo cabelo castanho claro ondulado, Soraya tem um corpo todo proporcional, seios cônicos mas cheios, muito sensuais, coxas grossas, cintura definida e uma camada rasinha de pelos pubianos castanhos que combina perfeitamente com a sua tez morena clara.

Disposta a ajudar, Aninha enxuga as mãos, perscruta o corpo da amiga de cima a baixo e dá uma volta para vê-la de costas. A bunda é mais ampla que a sua, portanto mais pesada, formando duas dobras bem definidas no encontro com as coxas, mas a forma é bonita e a pele é fina, sem sinal de celulite ou de estrias.
- Você tem um corpo lindo, Soraya. Posso dizer a única coisa que eu mudaria?
- Claro!
- Eu clarearia ou rasparia os pelinhos que descem do umbigo. Parece coisa de mulher grávida que não se trata.
- Haha! Só isso?
- Só. Você queria mudar mais o quê?
- Sei lá, eu queria atrair mais os caras. Às vezes me sinto uma velha. Eu só vivia para o Marcelo, nunca olhei para nenhum outro homem.
- Então vou dizer outra coisa: você tem que mudar o jeito de se vestir e fazer esse corpo aparecer.
- Como assim, fazer o corpo aparecer? Usar roupa curta?
- Também, mas eu estou falando de... Bom, naõ vai ficar chocada comigo hein? Estou falando de empinar a bunda, o peito, conhecer umas poses... Essas coisas.
- Nossa, Ana, sei lá...
- Soraya, uma pergunta: você quer viver um pouco ou já quer arrumar outro Marcelo?
- Eu queria que os caras me olhassem mais.
- Só te olhassem? Você não quer pegar no pau deles, chupar o pau deles, dar pra eles e ver estrelas de tanto gozar?
- Acho que quero, mas...
- Não tem "mas", Soraya. Você quer ou não ser bem fodida e gozar muito?
- É que você fala de um jeito!
- Soraya, vamos sentar um pouco...

E pela primeira vez em quase um mês, Aninha abre completamente a história da sua vida no subúrbio para a nova amiga. Ela vive, sim, na fronteira entre o ser puta e o não ser puta e já teve experiências suficientes para dispensar garotos a fim de transar como ratos e passar a querer homens com agá maisúcula que a façam mulher. No fim, Soraya está muda, de cabeça baixa, brincando com as mãos sobre as pernas.
- Já vi que sou mal exemplo!
- Não, Ana, não é isso...
- Eu sei, você não conhece o meu mundo, é menina certinha, de família e se o Marcelo tivesse pedido, você estaria casada com ele.
- Mais ou menos.
- E aí? Vou ter que ir embora ou você não tem medo do contágio?
- Para com isso, Ana! Eu gosto de você, mesmo que eu não saiba fazer como você.

Ela diz isso passando as mãos para a mesa, debruçando-se e dando um beijo carinhoso em Aninha, que chega  a apertar o canto do olho com a ponta do dedo, com medo de se emocionar.
- Deve existir um meio termo. Acho que eu posso ter muito prazer sem oferecer o meu corpo a qualquer um, ou vender. Você me ensina a me soltar só um pouquinho mais? Me ensina?
- Claro que ensino! Só de mudar o jeito de vestir, você já vai sentir a diferença. Amanhã mesmo, já não te deixo mais ir para a loja com essa roupa velha e toda frouxa que você usa todo dia para trabalhar!

Elas se levantam e riem por estar nuas, uma e outra sentindo o prazer do convívio com alguém de belo aspecto e belo corpo. Antes de se separarem, elas se abraçam e cada uma sente na pele a pele da outra. Os pelinhos curtos de Soraya roçam de leve a coxa de Aninha e isso a excita. Ela suspira enquanto beija a amiga no rosto sentindo o perfume esmaecido do pescoço, mas o despertar de Soraya só vem pelo toque involuntário dos seios. Olhando-se nos olhos, sérias, só lhes vêm à mente a vontade de beijar, e quando os lábios se tocam é apenas para formar o acesso ao encontro das línguas. Soraya escala o corpo de Aninha, envolvendo-lhe um seio coma mão, enquanto esta já chega com a ponta dos dedos ao tapete sedoso entre as coxas. Soraya está molhada, pronta. Aninha leva-a a encostar-se na mesa da cozinha, em seguida a deitar-se e, abrindo-lhe as pernas, mergulha a língua entre seus lábios, separando-os com os dedos e colhendo o suco adocicado. Soraya arfa, elevando e baixando os seios, acariciando ora os bicos entumescidos, ora a cabeça de Aninha, forçando-a contra o seu sexo em chamas que a amiga devora ávidamente. Suas pernas escancaradas vem se rebater contra o seu corpo, dando toda a liberdade a Ana, que trabalha firmemente o clitóris com o propósito de levar Soraya ao orgasmo. Este aliás não tarda e a menina começa a chutar o ar, sem controle das pernas. Aninha insere dois dedos no orifício melado e continua a lixar o pequeno órgão em ereção. Soraya tapa a boca para sufocar um grito e é assaltada por um orgasmo avassalador enquanto Ana passa a copular com ela, agora com três dedos que se tornam um verdadeiro autômato sexual que não perde o vigor nem a intensidade. Soraya goza abundantemente, gemendo e chorando de prazer e emoção, sentindo-se pela primeira vez bem fodida e abandonando-se toda arreganhada ao vaivém incessante dos dedos de Aninha, pressionando os seios e torcendo os mamilos. Quando Aninha ergue o rosto para olhá-la, Soraya, com lágrimas nos olhos, puxa-a e lhe dá um beijo ardente, cheio de grata emoção. Envolvendo a amiga com as pernas, ela gruda o rosto no seu e lhe diz que quer, sim, ter muito prazer, gozar muito, com muitos homens diferentes, e que não quer outro Marcelo em sua vida, pelo menos tão cedo, mas que ela não sabe se será capaz de mudar tanto e precisa que Aninha a compreenda. Nessa noite, as amigas juntam as camas e dormem abraçadas.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eu gostaria de receber um parecer seu. Obrigado!