Seja bem-vindo!

Caro Visitante,

Erotexto é um blogue dedicado ao erotismo que tem por característica uma rica diversidade de estruturas narrativas. Seu objetivo é triplo: entreter, desenvolver o interesse pela escritura e - o principal - motivar a reflexão sobre a libido e a busca do prazer, cujo fundamento biológico acredito ser de caráter essencial e universalmente bissexual.

Erotexto tem formato fixo. A primeira página comporta a última narrativa proposta (não necessariamente a última criação). O material arquivado consiste de contos e relatos classificados por categoria sob a rubrica "EroStock" (coluna à direita), bem como séries, novelas e folhetins. Para conhecer a acepção em que cada estrutura narrativa foi tomada, convido o leitor a clicar em "Pequena Teoria da Narrativa", aqui acima.

Uma comunicação contínua com o leitor faz-se através da rubrica "EroNovas", a primeira da coluna à direita. Meu e-mail está à sua disposição. Para reagir a uma publicação, clique na palavra "comentário", abaixo de cada texto.

Os botões "Índice" e "Resumos" propiciam acesso fácil aos textos e uma visão global do conteúdo do blogue.

Que Erotexto possa excitar de modo agradável, são e prazeroso, inspirar o leitor a escrever suas próprias histórias e principalmente, motivar a reflexão.

Marc Fauwel

A Odisséia de Aninha (folhetim, episódio IV)

4. Tadeu

Faz anos que o dono do bar da esquina a deixa sem jeito e é por isso que há algum tempo Aninha tem preferido comprar cigarro na padaria do seu Américo. Ela já nem se lembra que idade tinha quando o Tadeu começou a olhar diferente para ela e exclamar para os clientes, num tom para lá de safado, coisas como "Essa menina vai dar um trabalho!" cada vez que ela entrava no boteco para comprar cerveja ou cigarro para as tias,  ou chiclete para ela. Mais tarde, ele passou para "Está ficando um filezinho, mesmo, hein!" e mais recentemente, o sem-vergonha não se acanha de chamar a atenção para ela, gritando para todos ouvirem, assim que ela põe um pé no bar, "Chegou a novinha mais gostosa do bairro!" e dando uma sonora gargalhada. Não é que isso a ofenda; o Tadeu é gente boa e ela reconhece que o bom-humor dele descontrai. Mas sem saber, ele faz aumentar a pressão dos homens sobre ela porque, estimulados por ele, eles se sentem no direito de olhá-la e fazer comentários seja onde for: calçada, praça pública, ônibus, lojas... Até o inspetor da escola se engraçou com ela, um dia, depois das aulas, propondo irem para algum lugar onde pudessem "ficar à vontade"!  Portanto, Aninha passou a evitar ao máximo ir ao bar do Tadeu.

Mas há coisas que o Tadeu vende  mais barato que qualquer um e o cortador de unhas é uma delas. Certo dia em que Aninha não consegue encontrar o seu, já sabe que não terá escapatória senão fazer uma visita ao boteco do chato. Ela se curva à necessidade e, evidentemente, assim que o Tadeu a vê, ainda na calçada, dispara um "Lá vem a novinha mais gostosa do bairro!" que leva todas as cabeças, sem exceção das mais brancas, a girar em direção à porta. E, segundo os parâmetros de Aninha, ela está vestida "como uma freira", nesse dia, de saia e uma blusa que nem deixa aparecer a barriga! Pouco importa; eles a desnudam com o olhar, esquadrinham centímetro por centímetro de suas pernas, sofrem a cada curva e tentam adivinhar se ela se depila ou não, se os seios são redondinhos ou cônicos, se a bundinha é mais para larga ou estreita, se ela gosta disso ou daquilo, se já terá feito isso ou aquilo, etc. Quando ela entra, já sabe que foi mais do que radiografada e escaneada pela platéia ávida de carne nova.

Desta vez, porém, e pela primeira vez, ela se sente dona das suas emoções e não se zanga nem se tranca. Pelo contrário, sorridente e segura, ela se dirige ao lugar onde está a cartela com os cortadores de unha, pega um e mostra ao Tadeu, já com a quantia certa na mão. Ele vem atendê-la por fora do balcão e, muito discretamente, para total espanto seu, lhe faz uma proposta inaudita: ele vai de moto para Cabo Frio no fim de semana e gostaria de saber se ela iria com ele. Ele está construindo uma casa lá e precisa falar com o mestre de obras. A esposa e a cunhada vão cuidar do bar e, claro, não vão ficar sabendo de nada. Embora o tumulto do bar e da rua impeçam a qualquer um de ouvir uma conversa de perto, Aninha se sente incapaz de dar uma resposta ali, agora. Ela se limita a dizer que liga para o Tadeu mais tarde. Todos têm o telefone do bar porque ele manda entregar cerveja, refrigerantes e salgadinhos em casa, dependendo da quantidade. Ela já sabe a resposta, mas vai ser complicado arrumar uma desculpa em casa para passar duas noites fora.

Chega a sexta-feira. Aninha combinou de encontrar Tadeu num cruzamento da rua Dias da Cruz. O Méier é outro bairro e essa rua é tão movimentada que tudo nela acontece no anonimato. De short, camiseta e tênis baixinho de marca – presente de um admirador –, ela vai discretamente tomar o ônibus em outra rua do bairro, para não chamar atenção pela mochila embora pequena. Por sorte, ela encontra lugar sentado e vai até o Méier divagando sobre mais essa loucura para encontrar o seu primeiro homem com agá maiúscula. Se ela aceitou, é porque topa ir para cama com ele, e ele sabe disso. Agora é esperar que não a decepcione e, sobretudo, que ele seja realmente o cara gente boa que ele parece ser no bar.

Tadeu chega de moto ligeiramente atrasado ao local combinado; discussão com a esposa que não entende por que não pôde vir, diz ele. Como não demorou, Aninha não se importa e  monta na moto. Tadeu é grande e, embora magro, ela sente a sua largura ao segurar-se nele por trás. Esse homem de trinta e nove anos, filho de colonos alemães, destoa completamente do tipo humano local. Muito alto, quase louro, de olhos claros, ele só se denuncia quando abre a boca para falar com exatamente  a mesma entonação e os mesmos hábitos linguísticos que qualquer carioca da Zona Norte. Aninha simpatiza com ele e se aperta contra o seu corpo, animada com a viagem e a perspectiva do que virá.

Para descansar o corpo das duas horas e meia de percurso, Tadeu faz algumas paradas pela estrada. Eles conversam enquanto comem salgadinhos e dividem uma cerveja em lata. Aninha percebe o quanto ela o excita e arrisca a pergunta: desde quando? Desde o momento em que ela começou a ir ao bar com a tia ou os irmãos, sempre de roupa curta, mostrando as coxas mais bonitas do bairro, responde o homem, dando risada. Satisfeita porque ele soube esperar, ela se sente pela primeira vez como uma verdadeira conquista e chega a lamentar que ele seja casado e tenha filhos; ela não tem vontade de ser amante, crê merecer mais que isso. Mas Tadeu não leva a conversa para esse lado; ele parece mais querer "prová-la", como uma iguaria cara que se contemplou na vitrine por muito tempo e que um belo dia, quase que por milagre, se torna acessível. Frente a frente nas mesinhas das lanchonetes da estrada, ele elogia seu lindo rosto, seus lábios, seus dentes perfeitos, sua cor morena tão uniforme, seu cabelo preto e longo tão bem tratado. O corpo dela lhe dá água na boca e ele quer prová-lo.

No último trecho de estrada, Tadeu já  se sente bem à vontade para de vez em quando acariciar a perna da sua convidada na garupa. Ela responde passando uma mão no seu peito por dentro da camisa e pousando discretamente uma mão na convergência das coxas do motociclista, deixando-a lá, embora a dobra dura da jeans nessa região a impeça de sentir a anatomia. A moto voa sob o sol escaldante até chegar a um loteamento situado antes da cidade propriamente dita e bem distante da praia, onde se vêem muitas casas em construção e lotes ainda por comprar. São quase oito horas da noite e eles vão diretamente para casa.

Ao chegar diante da casa em fim de construção, Tadeu se decepciona; ele não nota progressos desde sua última visita, duas semanas atrás. Ele abre a porta descontente, reclamando que fez a viagem à toa porque veio para pagar, mas não vai dar um centavo ao mestre de obras. Aninha, que já encontrou cervejas na geladeira e descobriu que não falta comida, serve dois copos e leva um para ele prometendo que eles vão ter um fim de semana ótimo.
- Como é que tem tanta comida nessa casa, Tadeu?
- Ah, desde que terminaram a laje, minha mulher vem aqui toda hora com as crianças, minha sogra, sobrinhos, cachorro, papagaio... a galera toda!
- Tem comida para um batalhão e dá para fazer um banquete!
- Boa idéia; estou com uma fome daquelas.

Eles comem e vão dar um passeio pelo loteamento. Cansasdo, Tadeu não quer pegar novamente a moto para ir até o centro ou uma praia. Por volta das dez horas da noite, eles voltam para casa e, de longe, vêem dois homens na entrada coberta. Chegando mais perto, descobrem que são o mestre de obras e o filho de cerca de dezenove anos. Tadeu que já tinha relaxado, volta a se crispar. Todos entram, Aninha serve cervejas para evitar que o clima esquente, mas os dois homens engrenam numa longa discussão na cozinha enquanto ela fica na sala vendo televisão com o rapaz, um tanquilão pardo meio calado que se sente intimidado diante da menina carioca bonita e sensual. Ele arrisca umas olhadelas muito bem disfarçada para as coxas que ela faz questão de cruzar e mostrar na integralidade, o que o deixa visivelmente desconfortável. Aninha tem controle absoluto desse tipo de situação com os jovem de sua idade; ela sabe o que e quanto mostrar para deixá-los sexualmente tensos e fazer com que os mais ousados se revelem, o que visivelmente não é o caso do filho do construtor. Ela já o imagina se masturbando no banho em homenagem a ela, recordando os momentos em que ele esteve tão perto de uma mulher que poderia ter realizado todas as suas fantasias mais inconfessas. Mas os homens continuam conversando na cozinha, os programas se sucedem na tevê e nada. A certa altura, Aninha se despede só dele e vai se preparar para dormir. Ela veste o shortinho fino e uma camiseta, escova os dentes e vai se deitar numa das camas de baixo de um quarto pequeno e atravancado contendo  uma beliche em cada parede. O sono vem imediatamente.

É dia claro quando Aninha abre os olhos. Não vendo Tadeu, ela se levanta e dá uma volta pela casa para descobrir onde ele está dormindo. A casa de cerca de setenta metros quadrados tem quatro quartos do mesmo tamanho e dois banheiros. Há colchonetes por todo lado, de pé, contra as paredes, prova de que se prevê a visita de muita gente ao mesmo tempo, nas férias. No único quarto em que há uma cama de casal, Tadeu ressona deitado de costas e completamente nu. Suas roupas estão no chão, sinal de que a conversa com o construtor foi até altas horas e que ele veio se deitar exausto. A porta está entreaberta, mas Aninha pode vê-lo muito bem e é o que ela faz, sem pressa. O corpo do homem não a desagrada, muito pelo contrário, Tadeu é grande, tem coxas bem feitas e proporcionais ao resto, com belos pelos claros e bem distribuídos. Seu sexo está tão adormecido quanto ele, então não há como avaliá-lo corretamente, mas a glande é exposta – ele deve ter tido fimose, conjetura a menina – e o membro jaz entre a coxa direita e o saco, não reduzido a uma forma contraída e infantil, mas exibindo um comprimento e um diâmetro bastante interessantes que, pela primeira vez depois da bela visão do Gabriel-eletricista, deixa Aninha tão otimista que ela decide empurrar a porta.

As dobradiças empoeiradas guincham alto e Tadeu reage murmurando algo indiscernível, espreguiçando-se e bocejando escandalosamente, topando com Aninha ao lado da cama assim que abre um olho e depois outro.
- Acorda, preguiçoso! diz ela, toda sorridente.
- Não aguentou em pé, hein! brinca ele, já se levantando, abraçando-a e curvando-se para lhe dar um estalinho gentil.
- E você ainda me deixou com aquele pateta!
- Não gostou do filho do Zé? Ha! Ha! Ha!
- Ficou lá, mudo. Eu perguntava e ele só respondia "hãhã". Não tenho paciência não!
- Isso mesmo, menina! Já pensou se você tivesse se interessado pelo garoto? Como é que eu ia ficar?
- Se eu quisesse desmamar alguém, não teria vindo tão longe com você, né!
- Eu vou tomar um banho, depois a gente podia tomar um bom café e ir de moto até alguma praia, o que você acha?
- Gostei de tudo, até do banho!
- Sério?
- Sério. Anda! Pro banheiro, já!

Tadeu se mostra muito tranquilo em relação à nudez, e Aninha gosta disso porque não está acostumada. Até no chuveiro, ele se comporta com ela como se estar nu fosse a coisa mais natural do mundo. Ele lhe explica que a mulher e os filhos ficam nus em casa nos dias de calor e que eles sempre tomaram banho com os filhos. Isso a deixa à vontade e as coisas fluem de modo muito mais gostoso. É só quando eles se vêem muito próximos, no box, que o clima se torna suavemente erótico e o belo membro maciço e bem feito, grande e perfeitamente proporcional ao corpo de Tadeu dança livre sob o jato copioso da ducha. Aninha olha para baixo e pede para lavá-lo, já o empunhando sem cerimônia, sentindo-o pulsar, grosso, entre seus dedos enquanto o homem a observa, bonita e concentrada na tarefa, os seios perfeitos agitando-se levemente com o movimento dos seus braços. Ela ensaboa  saco, depois o tronco do pau e, com a almofada do dedo indicador, a borda da cabeça, tomando o cuidado de evitar que a espuma penetre no orifício. Tadeu se admira com o seu conhecimento.
- Com quem você aprendeu isso tudo, menina?
- Não vai me dizer que achava que eu fosse virgem, não é, Tadeu!
- Não, nem tanto, mas...

Nesse momento, o celular de Tadeu toca na sala e ele sai do banheiro em disparada para atender. Ao voltar, ele está com outra expressão no rosto.
- Que foi?
- Você não vai acreditar.
- Fala!
- Minha mulher queria me fazer uma surpresa e está vindo para cá de carro com os meus filhos.
- Caramba! Como é que  a gente vai fazer?
- Só vou ter tempo para levar você até a rodoviária de Cabo Frio.
- Que azar!
- É mesmo, a gente ia ter um fim de semana ótimo, mas não vejo outro jeito, e você?
- É, não conheço nada aqui e, mesmo que eu tivesse aonde ficar, não quero dar de cara com a Selma.
- Ainda bem que você entende, princesa.
- E adiantaria não entender? Vou me arrumar.

Na rodoviária, Tadeu espera até que Aninha confirme a existência de um ônibus para o Rio no mesmo dia e assim que ela volta com a resposta afirmativa, voa de moto para o loteamento, esperar a mulher e os filhos. Mas Aninha só encontrou um lugar no ônibus das sete da noite e tem que fazer hora uma tarde inteira. Ela decide ir passear no centro de Cabo Frio, comer alguma coisa – eles nem chegaram a tomar café da manhã –  e, se possível, ir até a praia. O dia está radiante, sem uma nuvem no céu. Otimista de nascença, ela se considera sortuda por só ter conseguido ônibus para mais tarde.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eu gostaria de receber um parecer seu. Obrigado!